Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, centrou boa parte da sua intervenção no Porto Canal, esta terça-feira, na arbitragem

Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, criticou esta terça-feira, no Porto Canal, o árbitro João Pinheiro, realçando o que considera ser critérios diferentes. Em causa, a arbitragem no Braga-Benfica, que encerrou a 23ª jornada da Liga NOS.

“O senhor João Pinheiro tem o passado que tem, como todos nós. É público, houve muitas notícias sobre isso e pelos vistos não se consegue libertar do seu passado. Mas não é só o senhor João Pinheiro. O que é irritante e desagradável é constatar este tipo de coisas. Vimos o Benfica beneficiar de uma expulsão por causa de uma falta feita à saída da área do Benfica. É indiscutível que a falta existe, mas a aplicação do cartão amarelo é muito duvidosa. Mas ainda mais é quando nos lembramos do comportamento do Benfica no Dragão, num jogo arbitrado por Luís Godinho, também ele com o seu passado conhecido, e que pelos vistos também dele não se consegue libertar” disse, antes de recordar o mais recente FC Porto-Benfica.

“Todos recordamos a sucessão de lances dez ou vinte vezes piores do que este do Fransérgio. Lances sucessivos de faltas muito duras, do Pizzi, do Nuno Tavares, do Vertonghen, jogadores que em condições normais não terminariam o jogo, quanto mais neste critério jogo de Braga no domingo”, disse.

“Na reta last do campeonato, não podemos ter um critério para o Benfica e um critério para os outros, designadamente para o FC Porto, senão, vamos ter uma adulteração muito grave da verdade desportiva, e já estamos a ter. Quando vemos, neste jogo, a leveza, a facilidade com que se assinala um penálti, que não é penálti em lado nenhum…por sorte do senhor árbitro, o jogador estava em fora-de-jogo”, acrescentou.

O diretor de comunicação do FC Porto concentrou-se ainda à parte last da época 2018/19 : “Lembramo-nos do que foi a reta last do campeonato há dois anos. Lembramo-nos da arbitragem do senhor João Pinheiro em Santa Maria da Feira. Lembramo-nos do que foi a arbitragem, com o senhor João Pinheiro a VAR, no Braga-Benfica. Esses erros prejudicaram objetivamente o FC Porto, porque as outras equipas tinham as suas classificações mais ou menos definidas e estabilizadas”, afirmou

“Agora, com os mesmos protagonistas, será que se vai tentar uma reedição? Não pode ser. A reta last do campeonato exige arbitragens independentes, isentas. É regular que aconteçam erros, mas não podem ter influência no resultado last. O Benfica tem jogado sistematicamente com vantagens numéricas. No Dragão, quem jogou fora da lei foi o Benfica e terminou com 11 jogadores. O FC Porto teve um jogador expulso, e bem. Pegamos neste exemplo para servir de alerta, para que os nossos adeptos estejam atentos, para que todos estejam muito vigilantes a tudo o que vai acontecer. A reta last do campeonato não pode ser decidida pelas arbitragens, tem de ser decidida pelo valor das equipas”, finalizou Francisco J. Marques.





Supply hyperlink

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial