Tulipa, que o treinou nos Sub-19 portistas, descreve Rodrigo como um jogador agressivo e com facilidade para ligar o jogo com os avançados. Mas diz que “só” tem pé direito e que podia finalizar mais

Rodrigo Valente foi a grande novidade do treino de sexta-feira do FC Porto, que voltou a contar com Francisco Conceição. Dadas as ausências de Sérgio Oliveira e Romário Baró, positivos à covid-19, Sérgio Conceição recrutou mais um dos campeões europeus de Sub-19. Em maio, Rodrigo já tinha treinado com a equipa principal, mas agora tem fortes possibilidades de ser integrado na convocatória para o Farense.

Rodrigo Valente tem 19 anos e soma 16 jogos e um golo nos bês, onde cumpre a segunda época. Em 2019/20 começou nos juniores, onde foi treinado por Tulipa. “É um miúdo muito equilibrado, que ataca bem e que intervém muito bem no processo defensivo. É agressivo, com facilidade para ligar o jogo com os atacantes, porque é bom tecnicamente. De todos os médios que o FC Porto tem formado, em termos de equilíbrio defesa/ataque, é dos mais consistentes. É um 8”, apontou a O JOGO o seu antigo treinador.

Ainda assim, aponta-lhe alguns aspetos a melhorar? “O pé esquerdo para ele não existe, é só pé direito. Devia ser mais incisivo na chegada às zonas de finalização. Ele faz isso bem, mas esporadicamente. Hoje em dias os jogadores da posição Eight têm de evoluir para um patamar em que sejam influentes na finalização. O jogo está tão defensivo que a primeira vaga de ataque é um bocado controlada pelas linhas defensivas do adversário. São esses médios, vindos de trás e às vezes coma incorporação dos laterais, que fazem toda a diferença”, explicou.

Por outro lado, Tulipa considera que Rodrigo é um jogador “agressivo” e com boa “capacidade de recuperação de bola”. “Não é preciso dar-lhe grandes indicações para ele voltar, para defender e para ocupar o espaço. Mas até nesse aspeto pode evoluir. Nos duelos defensivos, muito dificilmente os médios que vêm da formação têm preponderância nesse jogo. É algo que fica muito distante daquilo que é o jogo de I Liga, porque em muitas das disputas de bola é preciso meter o corpo e reagir rapidamente para uma ou outra ação. É também por aí que pode melhorar, tanto o Rodrigo como muitos outros”, referiu, atribuindo-lhe um 7 (em 10) como nota de avaliação.

“É um jogador muito do género do Uribe, mas outline melhor os lances. No binómio defensivo e ofensivo, consegue ser muito equilibrado”, concluiu.





Supply hyperlink

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial